7 da tarde e ainda não lavei os dentes

O casamento mais giro a que fui: o meu :)

A semana anterior terminou com duas datas importantes para nós. Dia 3 de Março fizemos 11 anos de casados e, no dia 5, 19 de namoro.

Hoje não vou abordar a questão que toda a gente me coloca: “como é que aturas esse homem há tantos anos?” (e isto dito inclusivamente pela irmã dele…).

Hoje apetece-me partilhar convosco o próprio dia do casamento – planeado de 30 de outubro, data do meu aniversário e do pedido – para 3 de Março, apenas quatro meses depois.

Casámos na igreja nova dos Olivais. Cheguei, com o vestido feito pela minha sogra, à hora marcada – sem atrasos porque nunca gostei que ficassem à minha espera. Assim que os últimos convidados chegaram, entrei de braço dado ao meu pai, ao som de “She” de Elvis Costello e a lutar com um véu que prendia em todo o lado.

O meu pai estava mais nervoso do que eu – apesar de ainda hoje achar que não – e entregou-me de forma meio atabalhoada ao meu futuro marido, que sorriu e disse que eu estava linda com um brilho nos olhos de que nunca me vou esquecer.

Ficámos voltados para a nossa família e amigos mais próximos, em vez de estarmos de costas, como é mais habitual. Foi um casamento pequeno porque não tínhamos dinheiro para mais e eu lembro-me de ir olhando para cada uma das pessoas e de as ver sorrir. Foi um dia mesmo feliz.

Os meus sogros e cunhados cantaram e tocaram músicas lindas e o padre mais cool de sempre ia pedindo palmas para os noivos a cada parte da cerimónia que ia sendo cumprida. Nós íamos conversando os dois, baixinho, a comentar isto ou aquilo, e ríamos muito – por causa dos nervos mas também porque rir sempre fez parte da nossa história.

A festa foi no Montijo. Na altura morávamos no Samouco e o nosso restaurante preferido era o “Dona Joana”, que infelizmente já não existe. O Sr. António, o dono mais apaixonado por cozinha que eu conheci, nunca tinha feito um casamento e ficou nervoso quando dissemos que a festa tinha de ser ali. Nós insistimos, ele aceitou.

Os pais perguntavam se não era melhor ir para uma quinta, que podiam ajudar. Mas uma quinta tinha muito pouco a ver connosco. E, de facto, tínhamos razão: a comida estava maravilhosa e correu tudo muito bem.

Os amigos iam tirando fotos, porque também não tínhamos fotógrafo profissional – fizemos um best of das fotos todas e isso resultou num álbum fantástico!

Passámos a noite de núpcias no Palácio de Seteais, num quarto lindíssimo, bem decorado e que cheirava muito bem (coisas que a memória guarda).

A esta distância fico orgulhosa por termos conseguido planear, em tão pouco tempo e com tão pouco dinheiro, um dia mesmo à nossa medida. Um dia feito com quem era importante para nós na altura – hoje teríamos muito mais amigos para convidar, felizmente.

Foi um dia divertido e cheio de significado. Mesmo feliz.

6 comentários em “O casamento mais giro a que fui: o meu :)

  1. Marlene Fernandes

    De facto um casamento não é barato mas é um dia maravilho. Ao ler isto lembro me do meu. Estava calma e feliz. Chegou o dia e pronto. Estava a chover a potes mas como tinha ido levar o ovinhos a St Clara eu acreditei que ela não se ia esquecer de mim. E não, quando estava pra sair da cabeleireira parou de chover e veio um sol fantástico. Foi lindo. Se foi o que desejei, no dia sim, hoje penso que se fosse hoje faria de outra forma, mas foi o que foi e fui muito feliz. Tb me recordo de entrar na igreja, por momentos não vi ninguém, apenas estava ansiosa que aquele que seria o meu marido olha-se para mim. Estava nervoso, notava se. Eu!!! Lolll tão descontraída que entrei a mascar chiclete, do quando cheguei ao altar passados algum tempo e que me lembrei da chiclete. Valha nos deus. Lolll… mas sim foi um dia que sempre desejei passar por ele. Um padre animado, conseguiu manter os convidados na igreja e nos divertir. “O regar o jardim” vai ficar eternamente nas nossas mentes e dos convidados que volta e meia nos perguntam se temos regado o jardim, um dos conselhos do Sr Padre Francisco. O vestido e todos os adereços, quinta, convites… uma canseira, só para um dia é verdade, mas depois penso, valeu a pena. Fui feliz. Azar foi a *m do fotografo, um aldrabao. PAULO MARQUES. Ao que parece desapareceu da face da terra não cumpriu nada do que ficou acordado e infelizmente não tinha contrato, pelo menos tenho os vídeos e fotografias para mais tarde recordar. Não podia correr tudo bem não é??? Lolll

  2. Angela Couto

    Casei passado dia 3, sem dúvida um dia inesquecível onde todos nos dizem k se divertiram!! Casamento e batizado do nosso filho Guilherme, que se portou lindamente e onde foi tão mas tão acarinhado por todos! Estava calma apesar da chuva k msm c os ovos entregues a St Clara não deu tréguas c troca de quinta a última da hora (responsabilidade da msm)… Meu pai estava emocionado msm sendo já a 3 filha a casar. Só posso dizer k foi um dia lindo emocionante mas k fiquei c fome 😁 só eu e k acho k não se csg comer no dia do seu casamento? E c tanta mas tanta coisa boa 😄

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *