7 da tarde e ainda não lavei os dentes

Esta miúda dá cabo do meu “amor próprio maternal”

Como é que faz o leão?

Ela não dorme à noite e não dá tréguas durante o dia. E nunca se entretém com nada. Nada.

Para eu conseguir fazer o jantar, ela deixa-me o armário da cozinha e/ou as gavetas numa revolução – e nem com isto se entretém porque desarruma tudo e segue a sua vidinha, procurando outro local onde instalar o seu caos.

Já fez 30 por uma linha e enveredou por “experiências científicas” que as manas nunca tentaram sequer. Isto inclui pintar paredes, molhar a escova de dentes na água da sanita e depois escovar os dentes, pôr rolos de papel higiénico inteiros na sanita, besuntar o cabelo com pasta dos dentes e enfiar os dedos em tudo o que é tomadas lá de casa.

Estilo para dar e vender…

Aos 8 meses abriu o lábio e ficou com uma cicatriz que nunca vai desaparecer. E se isto não dava um bom início de biografia de um rebelde qualquer eu não sei o que daria!

A minha Maria Leonor é uma Maria Trovoada. Um desafio que belisca o meu amor próprio maternal a toda a hora porque me faz sentir incapaz, cansada e muitas vezes frustrada. Dou por mim a pensar que era suposto eu conseguir fazer com que dormisse à noite ou com que se entretivesse a brincar durante o dia ou com que no restaurante não desatasse a berrar e pudesse ficar sentada mais do que 20 minutos – é que nem com recurso a desenhos, tablets e legos a coisa se dá!

É uma miúda castiça e uma espertalhona do pior – aos 21 meses fala com frases completas, o que eu acho espectacular e ao mesmo tempo cómico, porque a conversa “elaborada” não condiz com uma miúda tão pequena.

Faz uma festa enorme quando a vou buscar à creche e grita para toda a gente ouvir que chegou “A MÃE!”. E dá uns abracinhos mesmo apertados e demorados, que é aquele momento em que me sinto como telemóvel ligado à ficha, a carregar a bateria. Sabem como é?

Diz “mãe, dóti”, que é “mãe, adoro-te” e eu derreto-me toda e fico com o coração sossegado até ao próximo disparate desta peste. Ou até precisar de fazer o almoço. Ou até precisar de a pôr a dormir à noite. Ou…

Há aí por casa “peças” deste género?

14 comentários em “Esta miúda dá cabo do meu “amor próprio maternal”

  1. Elsa

    A minha Maria, mais conhecida cá em casa como Mary white, a primeira de dois filhos, tb era assim…pensamos que são fases…mas hoje com oito anos dá mais trabalho do que o irmão com três!!! 😉

  2. Susana Ramos

    Olá eu tenho uma Leonor Maria que nasceu a 16 junho (2 dias antes da Maria Leonor) e também é assim, é um terror. Ferra na irmã , parte os brinquedos é tipo uma maria-rapaz.
    Bjs

  3. Ana

    Tenho a minha menina de 17 meses, a minha segunda filha, tenho um menino de 5 anos que sempre dormiu ha noite desde 1 mês de idade que dormia 12 horas, nunca fez muitas borras nem grandes disparates, por isso nunca pensei que fossem tão diferentes, ela ate hoje dormiu 2 noites seguidas, faz birras de se atirar para o chão e também instala o caos onde quer que passe.. Sentia que quando estava grávida que ia aprender muita coisa. nunca pensei que fosse tanto e que testasse tanto a minha capacidade de ser mãe… Mas sinto também que ela vai “chegar,vir e vencer” neste mundo.

  4. Inês Duarte

    Lol enfim vale mais assim do que muito paraditos como diz a minha mãe mas as vezes parados não era nada mau ??. A minha Jéssica é igual energia que não acaba mas são esses abraços demorados esses momentos de caos que valem a pena esse momento em que nos chamam mil vezes “mãeeeeeeee”?

  5. Andreja Gonçalves

    Deve ser das “LEONORES”!
    Tenho uma Leonor com 25 meses que também é assim…. mãos que parecem imans, tudo se lhes cola à mão. Impressionante!
    É sinal de inteligência, mãe!!
    Eu só quero ver bem essa inteligência sinónimo de tanto que explora tudo na altura de ir para a escolinha…. até lá sonho com uns minutos de sossego que nunca chega!
    Depois há a bipolaridade de mãe, que conforme estavamos com elas pelos cabelos, nos abraçam com tanto carinho…. que derrete qualquer coração, e num instante esquecemos!
    Muita paciência e amor para dar! Beijinhos

  6. Tânia Ferreira

    A minha sobrinha tb é Maria Leonor e tem 20 meses…muito do que descreveu é tão ela mesmo…uma perspineta linda, macaquinha da tia que põe os cabelos brancos à mãe e ao pai ???

  7. Sandra Silva

    Agora não há, mas já houve. Eu própria, segundo relatos e algumas pequenas lembranças próprias, era exatamente assim. Em compensação tornei-me um adolescente exemplar (e adulta, parece-me). De uma coisa lhe posso dar a certeza, com todas as as eiras e disparates pegados que fiz sempre fui (e continuo) uma criança super, mas super feliz. Acredito que a Maria Leonor o seja também. Beijinho ?

  8. Maria José Ramalho

    Talvez se sinta a” terceira”. Nos primórdios da nossa História a terceira era sempre Rainha e “mandaleta”. Quem sabe se não estará a criar a sua independência sem dar troco a ninguém. A Maria Leonor está a dar o verdadeiro significado ao blogue da mãe. “7 da tarde e ainda não lavei os dentes. Beijocas da familia.

  9. Clara

    Só pode ser do nome…há oito anos que sofro com uma Leonor!
    Diferente dos irmãos todos, birrenta e teimosa como só ela sabe ser. A primeira vez que dormiu 5 horas seguidas tinha 25 meses.
    Também é especialista em declarações de amor e abraços.

  10. Catarina Lima

    Olá Catarina.
    Ao ler o seu texto sorri pois parecia estar a ler partes da história da minha vida… tenho 2 meninos, um com quase 8 anos e o mais novo com 2 anos e 7 meses… e é este último que em tudo é igual à Maria.
    Só faz disparates atrás de disparates (ainda hoje de manhã pegou na cabeça de um fantoche e colocou na sanita, descarregou o autoclismo e voilá… inundação na casa de banho com necessidade de recorrer a tirar a sanita para desentupir tudo! ?) mas no fim de todos estes disparates ele diz: “mãe, desculpa! Doio a ti” e pronto, desculpo tudo e mais alguma coisa no momento até chegar ao próximo disparate! ?

Responder a Catarina Lima Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *