7 da tarde e ainda não lavei os dentes

A avaliação que todas as mulheres deviam fazer

No início de dezembro, publiquei no meu Instagram esta foto, com o texto: “Meia foto (porque estou com o lábio feito num oito por causa de um herpes chato mas o cabelo hoje está particularmente bonito e até fui eu que tratei dele sozinha). E assim se perde tempo a ler parvoíces!” .

Umas horas mais tarde recebo uma mensagem de uma médica, especialista em “modulação hormonal”, que me abordou de forma muito simpática. Começou por pedir que não a levasse a mal, mas que, depois de ler o meu post e de perceber resultados lentos na cura do herpes, tinha de perguntar se eu já alguma vez tinha avaliado o meu perfil hormonal.

Eu juro que nunca tinha ouvido falar de tal coisa. Senti-me até “desinformada”. “Como é que nunca ouvi falar disto?!”

“Avaliação hormonal” soou-me a qualquer coisa que se faz perante um problema de saúde que foi detectado e que precisa rapidamente de ser resolvido. Mas deve ser feita de forma preventiva: garantindo que a perda natural de hormonas, como a progesterona, testosterona e leptina – que acontece à medida que envelhecemos – é compensada de forma inteligente, para que o nosso corpo funciona bem, em equilíbrio.

Acabei por ir à consulta da tal médica simpática, a Dra. Marta Padilha, e saí com a convicção de que todas nós, mulheres, deveríamos fazer esta avaliação. Porque o objectivo é justamente detectar, prevenir e tratar atempadamente as doenças recorrentes do envelhecimento (e são tantas, tão diferentes e por vezes tão complicadas!) – daí a consulta ter o nome de “anti-aging”.

  

Começámos por conversar acerca de mim: problemas de saúde, cirurgias feitas, gravideses, hábitos, prática de exercício físico, momentos de maior cansaço, por aí fora. Houve uma altura em que parecia que a Dra. Marta tinha mandado instalar câmaras lá em casa porque as perguntas eram certeiras. Do género: “às vezes não lhe apetece comer doces de forma quase compulsiva?” ou “já reparou que lhe aparecem umas manchas acompanhadas de pele mais áspera na parte superior dos seus braços?” ou até “não acha que agora é muito mais fácil sentir-se irritada com alguma situação do que há uns anos?”

Depois desta conversa a Dra. Marta disse-me que é muito provável que eu tenha problemas relacionados com a tiróide. Pediu-me para fazer uma série de análises e uma ecografia tiroideia.

Quando tiver estes resultados, regresso à consulta para delinearmos um plano de acção que poderá passar pela reposição hormonal, com hormonas bio-idênticas – ou seja, hormonas química e estruturalmente iguais às nossas, para que o organismo as reconheça como sendo suas.

Este plano é individual porque depende dos resultados de cada pessoa.

Não sabemos o que causou a avaria de um automóvel sem percebermos o estado do seu motor. Aqui passa-se mais ou menos o mesmo. E o mais certo é que com os resultados do meu lado e com a devida reposição hormonal, até poderá vir a tornar-se mais fácil alcançar o meu peso saudável, porque saberei com maior rigor aquilo de que o meu corpo precisa – e aquilo que o deixa em desequilíbrio.

Obrigada Dra. Marta por se ter preocupado com a minha saúde e por me ter dado a conhecer esta ferramenta tão valiosa!

Volto a escrever sobre isto quando receber os resultados e regressar à consulta 🙂

4 comentários em “A avaliação que todas as mulheres deviam fazer

  1. Célia Oliveira Sá

    A médica em questão é de alguma especialidade específica?
    Fiquei com vontade de fazer este tipo de avaliação e gostava de saber onde me devo dirigir aqui na zona onde vivo, para isso preciso de saber a especialidade.
    Obrigada pelo seu trabalho .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *