7 da tarde e ainda não lavei os dentes

O meu espelho está parvo (e deve pensar o mesmo de mim!)

ALERTA: este deve ser, provavelmente, o texto mais esquizofrénico que vocês já leram por estas bandas!

Quem me segue há algum tempo sabe que sempre tive problemas com o meu peso – e, por consequência, com a minha imagem. Vem já de miúda, como contei aqui, com uma série de medicamentos que tomei por ser asmática e que me incharam de uma forma incrível. Nesta altura, eu nem comia por aí além… o que causava em mim uma sensação de injustiça e de incompreensão tremendas.

Mais tarde, na adolescência, toda uma série de complexos e traumas e sei lá eu mais o quê! Como contei neste outro texto, só não vestia burka porque não estava à venda na Zara…

Com a entrada na faculdade a minha auto-estima melhorou substancialmente (e com grande “culpa” do meu namorado e actual marido). Passei a ter mais atenção com aquilo que comia, mas não fazia propriamente dieta. Fui gerindo as oscilações de peso e as mudanças na imagem ao espelho – dependendo dos dias, com maior ou menor facilidade.

Antes de engravidar pela primeira vez, decidi fazer perder peso de forma saudável através de um plano alimentar, porque queria que esses 9 meses fossem vividos da forma mais saudável possível e porque, se ia ganhar peso, então o melhor era não ter em excesso logo à partida. Talvez pelo motivo da dieta, sei que estava focada e, em apenas quatro meses, emagreci 16 quilos – sem tomar comprimidos nem suplementos, apenas com um plano de alimentação saudável.

Cheguei ao meu peso saudável, gostava de me ver ao espelho e nas fotografias, estava feliz. Engravidei e continuei feliz e mais ainda quando a Maria Rita nasceu. O peso saudável, esse, é que nunca mais encontrei. Nem na balança, nem no espelho.

Nos últimos dois anos já estive mais longe dele, mais perto e mais longe novamente. E não voltei a chegar lá. No entanto – e agora vem a parte esquizofrénica! – nunca comi de forma tão saudável e consciente como agora. E até vos digo sem qualquer pudor que me sinto bem fisicamente. Isto é, não me canso com tanta facilidade, respiro bem mesmo quando corro – o que é extraordinário para uma asmática – e tenho mais energia do que tinha há uns meses.

Sinto-me tão bem que não compreendo como é que o espelho continua a devolver-me uma imagem bastante anafada, redonda e com curvas fora dos sítios, tipo IP8… estão a ver… É como se o espelho, as fotos, os vídeos e a sombra no chão estivessem errados a meu respeito.

Como pessoa consciente que sou, fiz exames e percebi que tenho um nódulo na tiróide que afecta o meu metabolismo, tornando-o três vezes mais lento do que o normal, absorvendo tudo o que ingiro e pedindo sempre mais comida. Sei que, apesar de estar a treinar (a sério) três vezes por semana, isso não se traduz num corpo necessariamente mais fit. Sei que, ao contrário do que acontecia há uns meses, o meu plano de alimentação saudável não vai fazer-me perder peso – com sorte consigo não ganhar.

Neste momento corro, literalmente, atrás do prejuízo. Mas houve uma ficha qualquer que me caiu não sei de onde e que me diz que, se eu como bem e se me cuido, o caminho há-de ser por aqui. Que é apenas uma fase. Que é uma pena o verão estar a chegar, porque vou continuar a não “poder” usar calções, mas paciência! Não vou entrar em dietas malucas e pouco saudáveis. Não vou tomar porcarias. Vou esperar que a fase passe, vivendo-a com o máximo de optimismo possível.

Quanto à tiróide e ao espelho… teimosa como sou, hei-de levar a melhor. Mais verão, menos verão!

Mais alguém neste nível de esquizofrenia?

14 comentários em “O meu espelho está parvo (e deve pensar o mesmo de mim!)

  1. Ana Santos

    EU!!!! Exactamente a mesma coisa, excepto no caso da tiróide, que já andou a ameaçar mas não se confirmou. Mas a minha cabeça ainda não conseguiu perceber que come saudável e portanto tenho de esperar que o espelho o demonstre. E nos dias piores, lá vai uma compulsão e estraga toda a alimentação saudável. Mas estou no caminho. Um dia chego lá.

    1. Catarina Fernandes Raminhos Autor

      Ana, claro que chega! É preciso é não querer chegar depressa, até porque é bom irmos apreciando a paisagem pelo caminho 😉
      Felicidades! Estamos juntas!

  2. Eunice

    Olá Catarina, como te percebo!!! Apenas fui magra 2vezes na minha vida e foi porque estava doente, da primeira vez fiquei diabética aos 7 anos e da segunda tive pedras dos rins aos 25.
    Fiz exames recentemente e sou acompanhada pela dra Marta Padilha e desde então sinto-me muito melhor, não estou sempre cansada e sinto-me muito melhor comigo. O espelho também diz o contrário mas na verdade o que me interessa é como me sinto e como eu me vejo.
    Acho que devemos continuar um estilo de vida equilibrado e saudável e continuar a gostar de nós que isso acaba por se refletir em nós.
    Obrigada pelo teu texto inspirador!

  3. Patrícia

    Catarina, como a compreendo!
    Durante 30 anos, sentia-me complexada porque era muito magra. Depois por problemas de saúde comecei a engordar. Dois filhos depois acumulei peso e apesar de assumir bem as minhas curvas redondas, por causa dos problemas de saúde, devia ter peso a menos.
    Nunca tive tanto cuidado com a comida, mas devido a só poder fazer caminhadas e nem sempre consigo , a balança continua sempre na mesma .
    Contradições da vida… uma parte passeia a lutar para conseguir engordar e agora vou passar a outra a lutar contra o peso a mais.
    Moral da história, o que conta mesmo é gostarmos de nós como somos. Tentar aceitar-nos e não ligar aos preconceitos da sociedade.
    Uma certeza tenho, não vou deixar que isso me impeça de ser feliz e de me sentir bonita.
    Bora sermos felizes, tal como somos !
    A Catarina é única, admiro-a e acho-a linda e está muito bem!
    Que sejamos solidárias umas com as outras. 😉
    Beijinhos .

    1. Catarina Fernandes Raminhos Autor

      Patrícia, antes de mais: muito obrigada!
      A nossa imagem não define quem somos – lutamos é contra uma sociedade que pensa de outra forma…
      Um grande beijinho para si!

  4. Maria

    São fases…
    Se não forem depois o corpo habitua se😂😂😂
    Quando fiz a menopausa entro em.estado de choque de repente nada servia até as cuecas em 4 meses ficaram apertadas 😣
    Depois habituei me comprei novas número acima coo as calças ate as leggins..
    É uma nova fase mas está tudo bem
    As hormonas ou a falta delas dão nos cabo do juízo… mas como sabemos quem somos … tà se bem ..como diz o outro “lettingo”

  5. Florbela Barbosa

    Como te compreendo, hipotiroidismo confirmado desde os 25 anos (tenho 33) e 15kg ganhos sem dar conta! Um metabolismo muito muito lento e nem a hormona da tiroide que tomo diariamente ajudou a voltar ao meu peso, tal como tu, faz com que pelo menos não engorde mais ! Custou-me ver-me alargar/engrossar 😜 sem perceber porquê , com um marido gato ao lado tornou tudo muito pior para a minha auto-estima, até que percebemos o porquê e acabei por me aceitar! Se gosto??não mas como não consigo perder olha, pelo menos já não deprimo ! Boa sorte para ti! Beijinhos 😘

    1. Catarina Fernandes Raminhos Autor

      Olá Florbela!
      Acho que passa muito por aceitarmos a situação é aceitarmo-nos como somos ou como estamos 🙂 eu estou nesse caminho também! Um grande beijinho!

  6. Elizabeth Figueiredo Silva

    Olá Catarina. Por aqui é mais do mesmo. Nunca comi de forma tão saudável, e faço exercício, mas a malvada balança não muda🙄. Ainda por cima há 1 mês resolvi parar de fumar e aí foi a desgraça. A roupa aperta e o espelho irrita 😂🤣, mas estou a começar a aceitar que isto sou eu e pronto. Um grande beijinho para si.

  7. Catarina

    Olá Catarina.
    Como a entendo tão bem… Sou asmática e devido a tanta medicação ganhei formas que não gosto. Já consegui emagrecer, fui mãe pela primeira vez há 9 anos e consegui ganhar nesses 9 meses apenas 4 kg que os recuperei logo e depois comecei a ganhar novamente as tais formas… Há 4 anos voltei a engravidar e dessa vez não só ganhei 4kg, ganhei 9… (OK, não são muitos mais que os da primeira gravidez mas…) O problema é que desta vez não os consegui fszer desaparecer… Epah… Não como muito, não sou pessoa de “comer este mundo e o outro”, tenho regra a comer e mesmo assim estes kilos a mais não se vai embora. No ano passado devido a outra situação fiz exames médicos e foi detectado um nódulo na tiróide… OK… Tá aí parte da explicação do meu metabolismo ser lentoooooooooo 😒😒
    Há dias em que olho para o espelho e adoro ver-me mas há outros que só me apetece parti-lo. 🤨😣
    Mas no final de contas, temos que saber contornar as coisas e saber viver com estas formas que adquirimos ao longo dos anos. 😉
    Beijinho grande

  8. Inês almeida

    Sim! Mas na versão oposta… Por extrema magreza. Não que eu me sinta mal, a sociedade é que me faz questionar o porquê de estar sempre a emagrecer sendo que me alimento bem, bastante bem para o peso que tenho.

    Um beijo grande

    1. Ana Isabel

      Revejo me em todas as situações que descrevem, desde os 26 anos que comecei a aumentar o peso, aos 33 mais dez quilos, aos 43 mais 20 quilos. Tenho tiroidite de hashimoto, organismo muito lento, excessos alimentares só de vez enquanto. Segundo me disse o endocrinologista se não tivesse cuidado estaria com obesidade mórbida. Estão agora a ser estudadas umas hormonas que se formam a nível intestinal na digestão alimentar, pode justificar se alterações no peso, se as hormonas forem insuficientes. Assim a absorção alimentar é deficiente. Vamos ver que resultados nos dão estes estudos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *